FALCATRUA

Polícia Civil investiga fraudes para recebimento ilegal do seguro DPVAT no município de Rio Maria

O local é alvo de investigação sobre crimes de adulteração, contrafação (falsificação de documento público) e supressão de dados em documentos para recebimento irregular do seguro DPVAT

05/09/2019 06h46 | Atualizada em 05/09/2019 06h47

Polícia Civil investiga fraudes para recebimento ilegal do seguro DPVAT no município de Rio Maria

Reprodução/Polícia Civil

PUBLICIDADE

A equipe da Polícia Civil cumpriu mandado de busca e apreensão, nesta quarta-feira (04), em Rio Maria, sudeste do Pará, na sede de um escritório denominado "Resolve Assessoria DPVAT", localizado na sede do município. O local é alvo de investigação sobre crimes de adulteração, contrafação (falsificação de documento público) e supressão de dados em documentos para recebimento de forma irregular do seguro DPVAT (Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres). Na ação policial, coordenada pelo delegado Carlos César Silva, e pelos investigadores Dhian e Couto, foram apreendidos vários documentos, além de um computador.

"Tudo será analisado pelos investigadores, com a finalidade de instruir os procedimentos inquisitórios instaurados e subsidiar as investigações", detalha o delegado. A ordem de busca e apreensão foi expedida pelo juízo da Comarca de Rio Maria, após solicitação do delegado. Ele ressalta que as investigações foram iniciadas após recebimento de ofícios vindos da Diretoria de Polícia do Interior (DPI) e da Divisão de Investigações e Operações Especiais (DIOE) da Polícia Civil. Nos documentos, detalha o policial civil, eram noticiados fatos que apontavam para fraudes no seguro DPVAT em Rio Maria.

Diante disso, foi colocada em prática a operação intitulada de Ressurreição, já que, em uma das fraudes, ocorreu a falsificação da uma Certidão de Óbito. "O documento falso atestava a morte de uma pessoa que encontra-se viva, com o intuito de recebimento da indenização por morte. Além da contrafação da certidão de óbito, houve ainda a falsificação de uma requisição de exame cadavérico, adulterando, inclusive a assinatura da autoridade policial no documento", detalha. As investigações continuam para apurar os crimes e identificar os responsáveis pelas práticas criminosas.

FONTE: Polícia Civil PA

Comente, sua opinião é Importante!

PUBLICIDADE